Causas emocionais das dores e doenças do corpo físico

Temos ouvido, com muita frequência, relatos de pessoas que se queixam de doenças crônicas e que estão há muito tempo em busca de uma cura. Porém, mesmo após consultarem médicos, especialistas e tratamentos alternativos, não conseguem identificar a causa e nem obterem um tratamento que surta resultados satisfatórios.

São desconfortos de ordem física, emocional e psíquica que se misturam dificultando um diagnóstico assertivo e prolongando o sofrimento de quem está passando por esse tipo de experiência.

E para tentar ajudar, resolvemos compartilhar com vocês um pouco do conhecimento explorado pela Psicossomática, “ciência interdisciplinar que estuda os efeitos de fatores sociais e psicológicos sobre processos orgânicos do corpo e sobre o bem-estar das pessoas” (Wikipedia).

Através de muitas pesquisas foi possível constatar que um sintoma geralmente vinha seguido de alguma situação mal compreendida ou mal resolvida, o que acarretava o mal funcionamento e até danos a determinados órgãos, glândulas, articulações, músculos, etc.

Para se ter uma ideia, dificuldades para reconhecer sentimentos, stress, dor de cabeça, dor de barriga, dor de garganta são alguns dos sintomas da pessoa acometida por doenças psicossomáticas.

Mas como esse tema é muito abrangente e rico de informações que podem ajudar a compreender as causas desses problemas, vamos compartilhar alguns exemplos de doenças psicossomáticas para proporcionar uma melhor reflexão:

 

– Dores de cabeça psicossomáticas: autocrítica, perfeccionismo;

– Intestino preso: problemas mal resolvidos;

– Tosse e alergias respiratórias: irritação com algo no ambiente;

– Amidalite: Emoções reprimidas, criatividade sufocada;

– Câncer: mágoa profunda, tristezas mantidas por muito tempo;

– Gastrite: incerteza profunda, medo de condenação;

– Insônia: medo, culpa;

– Prisão de ventre: preso ao passado, medo de não ter dinheiro suficiente;

– Resfriados: confusão mental, mágoas, desordens;

– Rinite alérgica; congestão emocional, culpa, crença de perseguição;

– Úlceras: medo, crença de não ser bom o bastante;

– Pressão alta: Problema emocional duradouro e não resolvido;

– Derrame: resistência, rejeição a vida.

 

Esses são alguns dos exemplos de causas de doenças psicossomáticas que podemos ter como base para prestarmos mais atenção no que temos sentido pois a doença geralmente surge com o propósito de nos colocar em contato com tudo que nos impede de ser o que desejamos ser.

A doença, apesar de acarretar sofrimento, pode nos ajudar a fazer reflexões e questionamentos importantes para ampliar o nosso autoconhecimento, tais como:

 

– O que este sintoma me impede?

– O que este sintoma me obriga?

– O que você gostaria de fazer e não está fazendo? ”

 

Aos poucos vamos entendendo como prevenir os desequilíbrios da saúde de um modo integral e procurando ter uma vida que faça mais sentido, mantendo o coração leve e a consciência tranquila, agindo com naturalidade, aceitando nossas qualidades e defeitos, interagindo com tudo e com todos, aceitando as diferenças, aproveitando o que há de positivo, de bom, de construtivo, enfim, viver em harmonia com o seu EU, respeitando-se, amando-se, priorizando-se no sentido de aceitar para a sua vida somente o que te faz bem.

Quanto aos incômodos, angústias e tantos questionamentos que nos tomam, procuremos entender serenamente, respeitando o nosso tempo natural de absorção das coisas e perdoando-nos sempre, como um pai que vê no filho sempre o melhor a ser explorado e que não desiste nunca de vê-lo crescer incessantemente.

 

Que sejamos felizes!

E se você curtiu esse artigo, curta, comente, deixe o seu recado. É sempre um prazer interagir com vocês!

Um abraço carinhoso.

Karol Peixoto
Karol Peixoto
Paulista, 34 anos é Bacharel em Musicoterapia pela Faculdade Paulista de Artes/SP, Pós-graduada em Arteterapia pela Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo, Reikiana pelo Instituto Luz/SP e está cursando Extensão Universitária em Dependência Química na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Desenvolve trabalhos terapêuticos focados em Saúde Mental e durante sua trajetória atuou em diversas instituições de apoio a: Dependentes Químicos, Pacientes Soropositivos; Grupos de 3ª. Idade; Crianças com deficiências mentais; Crianças com câncer e pacientes com problemas Psiquiátricos . Atualmente realiza atendimentos em clínica particular.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares